Restricted Area

Qualidade da Silagem de Milho: Correlação entre a Energia e a Fibra

Por:
Diogo Ribeiro & Sara Garcia
Técnicos de Nutrição
Zoopan, S.A.

 

Na produção de leite de vaca, a alimentação é um ponto fundamental a que deve ser dada a devida importância, uma vez que tem implicações a nível produtivo, reprodutivo e ainda impacto na qualidade do leite. Para além destas, a alimentação pode significar 40 a 65 % dos custos de produção de uma exploração leiteira, e na qual o impacto da subida das matérias primas e o seu aprovisionamento se faz sentir. Sendo a silagem de milho um dos principais alimentos utilizados para a produção de leite de vaca, ao longo deste artigo vamos descrever algumas das valorizações da qualidade de Silagem de Milho para a produção leiteira.

 

   A Silagem de Milho tornou-se um pilar da alimentação de vacas leiteiras muito devido à sua simplicidade de cultivo (boas condições edafoclimáticas em Portugal para o seu cultivo), segurança alimentar e principalmente, alto valor nutricional a um preço competitivo. 

   A qualidade da Silagem de Milho pode diferir, tendo em conta diversos factores: a época de colheita, a maturação da planta aquando do corte, a composição química, o tamanho das partículas aquando da colheita, o processo de fermentação e a conservação adequada. A avaliação da qualidade das silagens fundamenta-se pela sua composição química e, essencialmente, no seu valor nutritivo. Cada silagem difere entre si, e existem diferenças significativas tanto em composição química, como em valor alimentar, que vão obviamente impactar as performances zootécnicas dos animais em cuja dieta a silagem vai fazer parte integrante. Desta forma, será sempre necessário analisar a forragem, de modo a poder ser feito um ajuste nos planos alimentares.

 

32 - 33 % de MS na planta inteira                                   

   O teor em Matéria Seca (% MS) é um dos dados que é primeiramente analisado quando falamos de silagem. Este critério permite transformar os pesos do produto em bruto em rendimento, stock e quantidades distribuídas. A colheita da silagem de milho faz-se geralmente entre os 30 e os 35% de matéria seca da planta inteira, sendo que o compromisso ideal entre rendimento, digestibilidade das fibras e qualidade de conservação se situa entre os 32 – 33% MS (Gráfico 1).


      









 

Gráfico 1 – Relação entre MS (% MS) e UFL (Energia)

 

   Uma colheita muito precoce não permitirá optimizar o rendimento, e a silagem sofrerá perdas por escorrimento dos sucos, tendo uma ingestão mais baixa. Uma colheita tardia torna a silagem mais difícil de ensilar, e pode comprometer a qualidade de conservação. 

  1. Grão Leitoso - Milho com < 28 % MS - grãos devem ser “tocados” para assegurar uma digestão correta;

  2. Grão Pastoso – Milho com 28 a 32 % MS - grãos devem ser cortados para que o amido pastoso fique acessível através da digestão de bactérias do rúmen;

  3. Grão Vítreo – Milho com mais de 32 % MS - grãos devem ser fracionados para otimizar a digestão.

 

   A matéria seca decompõe-se em matéria orgânica e mineral (ou Cinzas). A taxa média de Cinza Bruta deverá ser na ordem dos 4% MS. Se for superior a 6% MS, é sinal de contaminação com terra aquando da colheita, aumentando o risco de proliferação de bactérias butíricas e ainda diluição do valor alimentar da silagem de milho.

 

A digestibilidade da Fibra diminui de acordo com o estado de maturação

   As fibras são um componente indispensável na dieta dos ruminantes, que dependendo das suas características químicas e físicas, podem interferir diretamente na digestão ruminal, e diretamente na qualidade do leite. Assim, as fibras representam uma parcela importante na qualidade da silagem de milho.

   As paredes vegetais representam essencialmente fibra. Estas formam o esqueleto de gramíneas e leguminosas com cadeias de celulose revestidas de hemicelulose e pectinas, com diferentes concentrações de Lignina. 

Paredes Vegetais

Cinzas

Pectinas

Hemicelulose

Celulose

Lenhina




 

Imagem 1 – Composição da Parede Vegetal

 

   A Celulose representa quase metade das paredes celulares dos vegetais, tendo estas diferentes digestibilidades. A Hemicelulose e as pectinas têm diferentes origens, sendo estas facilmente digeríveis. Em relação à Lenhina, esta aumenta com a idade da planta, fazendo aumentar a rigidez e diminuindo a digestibilidade da forragem. Todos estes componentes têm interações entre si. 

   O teor em fibra pode ser medido de várias formas: Fibra Bruta (FB), NDF, ADF, ADL.

 

Fibra Bruta

Hemicelulose

NDF

   

Celulose

ADF

 

Lenhina

ADL

 

Imagem 2 – Composição da Fibra Bruta

Ainda em relação as fibras, no que diz respeito à ingestão e digestão, sabemos que estão ligados aos valores de NDF, ADF e ADL. Assim, sabemos que o valor da Hemicelulose, alimento rapidamente digerível da forragem, é obtido da diferença de NDF e ADF. Da mesma forma, o valor de Lenhina (ADL) é obtido subtraindo o ADF. Com isto, sabemos que o valor de NDF reflete a ingestibilidade dos alimentos, enquanto o valor de ADF ilustra a fibrosidade e digestibilidade.  Um valor de ADF alto significa menor digestibilidade ( devido à alta proporção de Lenhina).











 

Gráfico 2 – Relação entre NDF (% MS) e UFL (Energia)

 

No Gráfico 2, pode comprovar-se que, para valores mais baixos de NDF, o valor de UFL será mais elevado, tendo por isso impacto na produção de leite. Conforme os valores de NDF vão aumento, o teor de UFL (/ Kg MS) vai diminuindo.

   O Mesmo acontece com o ADF. Valores mais baixos de ADF, representam um teor em energia superior na forragem, sendo por isso mais impactantes positivamente na produção de leite (Gráfico 3).









 

Gráfico 2 – Relação entre ADF (% MS) e UFL (Energia)

 

Gráfico 3 – Relação entre ADF (% MS) e UFL (Energia)


   A digestibilidade da parede vegetal vai diminuindo conforme o estado de maturação da planta. Entre 33 e 38% MS, a digestibilidade da NDF diminui 4 pontos, o que equivale a perdas de produção de leite na ordem dos 0,4 Litros por vaca e por dia, para planos alimentares compostos por 45% de Silagem de Milho. É importante alcançar um mínimo de 17-18% de Fibra Bruta (em relação à Matéria Seca) nas dietas, onde 75% deverão ser aportados pelas forragens.

 

Valores de Amido bastante variáveis

   Relativamente a energia das forragens, podemos falar essencialmente em 2 parâmetros: o Amido e as Unidades Forrageiras. O Amido representa essencialmente as reservas de glúcidos presentes nos vegetais. Este pode ser dividido em 3 grupos devido à sua diferente degradabilidade digestiva: Amido Solúvel, Amido Lento e Amido By-pass. 

   Quando falamos de forragens para a produção de leite, neste caso Silagem de Milho, a energia pode ser expressa em valores de UFL  (Unidades Forrageiras para o Leite). Esta representa o valor de energia presente no alimento de referência, a Cevada (1 UFL = energia num kg de Cevada, que equivale a 1700 kcal de energia para a lactação)










 

    Gráfico 4 – Relação entre Amido (% MS) e UFL (Energia)

   

   Analisando a correlação entre Amido e UFL (Gráfico 4), pode verificar-se que uma Silagem de Milho para bons resultados na produção de leite deverá ter valores de Amido entre 32 a 42, representando asssim, valores de Energia dentro de 0.85 e 0.95 UFL. 

Share this article

See also



04 May 2022
Zoopan will be present at VIV Europe 2022
Zoopan celebrates its return to International Events by attending VIV Europe 2022, from 31st May to 2nd June, in Utrecht.
Visit us at Stand B040 Hall 10 to find out what's new!
01 February 2021
PETUGA on social networks!
PETUGA is now present on social networks 

Follow us:
https://www.facebook.com/petuga.petfood
https://www.instagram.com/petuga.petfood


16 September 2021
Zoopan participated in the 1st Open Day of the Veterinary Hospital Muralha de Évora
Zoopan participated in the 1st Open Day of the Veterinary Hospital Muralha de Évora, which took place on September 10, 2021.

It was an event that gathered around two hundred participants and where important topics for Animal Health were addressed.